Boa noite!           Quarta 22/10/2014   21:54
Receba nossos informativos: Nome: Email:
Top On Informática
Home > Atrativos Turísticos > Casa Barão de Mauá
Casa Barão de Mauá


No princípio da Av. Rio Branco, esquina da Rua Piabanha, bem em frente à Praça da Confluência está situado o palacete que pertenceu ao Barão de Mauá.
O terreno pertencia ao colono Felipe Erbis I, natural da Alemanha. Em 1848, parte da propriedade é adquirida por Irineu Evangelista de Souza, o futuro Barão de Mauá.

A construção da casa de estilo neoclássico se deu de 1852 a 1854, e  era usada por ele como residência de verão.

Irineu Evagelista de Souza foi o maior empresário brasileiro do século XIX, criador do Banco do Brasil, atuando ainda como político e diplomata. Passa à  história brasileira também como o homem que construiu a primeira estrada de ferro da  América Latina, que ligava o Porto de Mauá, no fundo da Baía de Guanabara, a Fragoso (Magé), em 1852. Quatro anos mais tarde, esta  ferrovia também passou a ligar-se à Raiz da Serra, chegando até Petrópolis. Por este feito, recebeu o título nobiliárquico  de Barão de Mauá.. Em 1872 explorou o serviço de telégrafo entre Brasil e Portugal, recebendo o título de Visconde de Mauá.

Começa a enfrentar  dificuldades financeiras, e em 1878 decreta falência. Em 1884 consegue a sua reabilitação comercial, após pagar as dívidas. Em 1889, o Visconde de Mauá faleceu em Petrópolis, vitima de diabetes. Deixou para os brasileiros um forte exemplo de determinação, de espírito empreendedor e de confiança no nosso país.

Atualmente, a casa é sede da Fundação de Cultura e Turismo de Petrópolis.

"A história de Irineo Evangelista de Souza
Barão de Mauá - O Empreendedor do Império"

Irineo Evangelista de Souza, mais conhecido pelos títulos de nobreza de Barão e Visconde de Mauá, representou na história do segundo reinado, importantíssimo papel como homem de excepcional visão nos setores comercial e industrial do Brasil.
Irineo Evangelista de Souza nasceu em Arroio Grande, município de Jaguarão-RS, em 28 de dezembro de 1813. Órfão de pai, viajou para o Rio de Janeiro-RJ em companhia de um tio, capitão da marinha mercante. Aos 11 anos empregou-se como balconista de uma loja de tecidos. Em 1830 passou a trabalhar na firma importadora de Ricardo Carruthers, que lhe ensinou inglês, contabilidade e a arte de comerciar. Aos 23 anos tornou-se gerente e logo depois sócio da firma.

Em 1839, Irineo voltou ao sul para buscar sua mãe, irmã e sobrinha, Maria Joaquina de Souza Machado, com quem se casou dois anos depois, ela com 15 anos, tiveram 18 filhos dos quais sobreviveram 10. A viagem que fez à Inglaterra em busca de recursos, em 1840, convenceu-o de que o Brasil deveria caminhar para a industrialização. Alguns anos mais tarde, inspirado no que havia visto, decidiu liquidar seu estabelecimento comercial e comprar uma fundição localizada na Ponta da Areia, em Niterói, onde funcionava também um pequeno estaleiro. Justificando essa aquisição, disse: “ A indústria que manipula o ferro, sendo mãe de todas as outras, me parecia o alicerce da aspiração”.

Em 1845 Irineo tomou a frente do ousado empreendimento de construir os estaleiros da Companhia Ponta da Areia, com que iniciou a indústria naval brasileira. Lá também fabricaram-se os encanamentos destinados aos rios Maracanã e Andaraí Grande e os lampiões de ferro destinados à iluminação a gás na cidade do Rio de Janeiro. No estaleiro, durante a administração de Irineo, foram fabricados 72 navios, dos quais muitos tiveram participação ativa nas guerras platinas.

Como banqueiro iniciou sua atividades em 1851, quando fundou, na cidade do Rio de Janeiro, o Banco do Brasil. No entanto, ao perceber que a organização fugia dos objetivos para os quais fora criada, isto é, servir a nação, Irineo recusou o cargo de diretor e tratou de fundar seu próprio estabelecimento – a Casa Mauá Mac Gregor & Cia, que começou a operar em 1854 com grande acolhida do comércio. Nesta época, Irineo era o maior empresário e um dos maiores financistas do Império.


Em 1852, Irineo negociou com o governo imperial a concessão para a construção da primeira estrada de ferro do Brasil.

A inauguração oficial da E.F. Mauá se deu em 30 de abril de 1854. Sua denominação partiu de D. Pedro II, mas na verdade seu nome oficial era Imperial Companhia de Navegação a Vapor e Estrada de Ferro Petrópolis. Tinha uma extensão de 14,5 km, e seu trecho inicialmente era compreendido entre a Praia da Estrela e Fragoso, no Estado do Rio de Janeiro. Em 16 de dezembro de 1856, finalmente a ponta dos trilhos chegava à Raiz da Serra, ficando assim a ferrovia com 15,19 km.


Em virtude desse empreendimento, Irineo Evangelista de Souza foi agraciado com o título nobiliárquico de Barão de Mauá, por ser Mauá o nome do antigo Porto da Estrela, que ficava ao lado do terminal da ferrovia.

Outros feitos importantes de Mauá foram: a incorporação da Cia de Navegação e Comércio do Amazonas, mediante Decreto de 1852, que lhe concedeu o privilégio exclusivo de 30 anos para explorar a navegação naquele rio; a construção da Estrada de Ferro Santos – Jundiaí, mais tarde chamada São Paulo Railway. Esta empresa foi um dos grandes motivos de sua falência, por não ter sido reembolsado na quantia que havia emprestado.

Em 1872 explorou o serviço de telégrafo entre Brasil e Portugal, recebendo o título de Visconde de Mauá.

Em 1875, o Visconde tentou junto ao Banco do Brasil um empréstimo para saldar suas dívidas, porém só conseguiu uma moratória de 3 anos. Começa a enfrentar dificuldades financeiras e em 1878 decreta falência. Em 1884 consegue a sua reabilitação comercial, após pagar as dívidas.

Mauá morrera a 21 de outubro de 1889, aos 75 anos, de diabetes, menos de um mês antes da queda do Império para cujo desenvolvimento, no terreno dos transportes, tanto havia trabalhado e sofrido. Seus despojos mortais foram levados de Petrópolis para o Rio de Janeiro e assim, "na sua última viagem, num trem da The Rio de Janeiro & Nortern Railway, o corpo do Visconde de Mauá atravessa, frio e inerte, a estrada de ferro à qual, nos ardentes dias de entusiasmo industrial, ele dera a vida". Foi enterrado no cemitério da Ordem Terceira dos Mínimos de São Francisco, no Catumbi.

Apesar da insuficiência de recursos e incompreensão dos homens, Mauá deixou aos brasileiros um forte exemplo de determinação, de espírito empreendedor e de confiança em nosso país.

Sobre a Casa do Barão de Mauá

No princípio da Av. Barão do Rio Branco, esquina da Rua Piabanha, bem em frente à Praça da Confluência está situado o palacete que pertenceu ao Barão de Mauá.

O terreno pertencia ao colono Felipe Erbis I, natural da Alemanha.

Em 1848, parte de sua propriedade, com testada para o Quarteirão de Nassau (atual av. Piabanha), foi vendida para Jean Baptiste Binot. A outra parte voltada para Westphália (atual Av. Rio Branco) foi adquirida em 1852 por Irineo Evangelista de Souza- futuro Barão de Mauá . De abril deste ano a março de 1854 foi construída sua casa, usada por ele como residência de verão, desenhada pelo engenheiro Otto Reimarus e intitulada “residência de Mauá”, a única que mandou construir, apesar de possuir outros imóveis. Neste período vinha a Petrópolis para acompanhar a construção da primeira estrada de ferro do Brasil

No século XIX, em matéria de arquitetura, o Brasil ocupou uma posição de vanguarda. Arquitetos brasileiros foram chamados para desenhar grandes obras em outros países

A vinda da família real de Portugal para o Brasil, no início do mesmo século, introduziu uma mudança sensível nos usos e costumes da vida da colônia. A vinda de uma missão composta por pintores, escultores e arquitetos franceses, no ano de 1816, determinou uma nova alteração nos rumos da arquitetura brasileira. A partir de então, todas as construções locais deveriam observar rigorosamente os padrões vigentes na França, considerado o maior centro da civilização ocidental.

O estilo neoclássico veio romper a linha contínua da influência portuguesa sobre a arquitetura colonial, estimulando a melhoria das técnicas de construção e adoção de materiais adequados aos diversos tipos de obras.

O palacete de Mauá seguiu o estilo da época. Até hoje conserva suas linhas neoclássicas, sóbrias, com seus telhados escondidos por beiras de alvenaria, janelas e portas no mesmo estilo usado na época do II Império. Encrustado em meio à densa floresta tem à sua volta belo jardim gramado, com algumas espécies de raras palmeiras e árvores frutíferas. A propriedade é toda murada de alvenaria e gradís de ferro, vindos do estaleiro do próprio Mauá.

O prédio acabou sendo empregado no pagamento de parte da dívida dos credores, quando da falência de Mauá em 1878.

Devido a estes problemas financeiros, a casa de Petrópolis foi vendida ao Sr. Alberto de Faria, sogro do pensador católico, Alceu de Amoroso Lima, o Tristão de Athayde, que passou longas temporadas na residência.

Na década de 1950/60, Vinícius de Moraes, na ocasião casado com a Sra. Lucinha Proença, descendente de Alberto de Faria, também veraneou no antigo palacete de Mauá. Aí compôs “Pobre Menina Rica” em parceria com Carlos Lira, como também “Apelo”.

As dependências do palácio são claras, espaçosas, arejadas, com uma linda vista para a mata, e da sua sala principal, de entrada, descortina-se as montanhas do Caxambu e Morin, além de se ter uma bela visão da torre da Catedral. Nesse mesmo salão, encontra-se uma mesa que tem sobre seu tampo uma pintura sobre porcelana representando Luiz XVI cercado de damas de côrte, poltronas e cadeiras, adquiridas num castelo francês –móveis do século XVIII. A casa sofreu várias reformas. Seus tetos pintados a óleo se perderam e foram substituídos por madeiras de lei. Os banheiros tem pias inglesas.

A sala de recepção é aberta ao público de segunda a sexta-feira. Nos finais de semana e feriados, podem ser visitados também o átrio e a sala de reuniões.

Endereço: Rua da Confluência nº 03 – Centro

Indicativo: Próximo ao Palácio Cristal e à antiga Cervejaria Bohemia

Telefone: (24) 2246 9300

Visitação: Sábados de 09:00h às 18:00h e Domingos e Feriados de 09:00h às 17:00h

Fonte: http://www.petropolis.rj.gov.br
Fonte da foto Barão: http://www.arroiogrande.pop.com.br/baraodemaua 
 

disque turismo
Spa Serra Morena