Boa tarde!           Terça 30/11/2021   12:49
Receba nossos informativos: Nome: Email:
Home > Saúde > De Auxiliar de Operador de Caldeira a Médico referência em Cardiologia
De Auxiliar de Operador de Caldeira a Médico referência em Cardiologia
A história de Luiz Antônio, que trabalha há 50 anos no HAC

23/09/2018 - 09:39 - Com quase 30 anos dedicados à medicina, a história do médico cardiologista Luiz Antônio de Souza, de 66 anos, se confunde com a do Hospital Alcides Carneiro (HAC). Filho de operador de caldeira e de uma dona de casa, Luiz Antônio, desde cedo tem contato com o hospital onde conheceu o amor pelo cuidado ao próximo. Atualmente, um dos médicos referência da especialidade na cidade, o médico atua no Ambulatório do HAC, mas o laço com a unidade começou logo na infância, quando acompanhava o pai que trabalhava na unidade.

“Aqui está a minha vida. O Hospital Alcides Carneiro mora no meu coração. É aqui onde tenho as melhores lembranças da parceria com meu pai, dos amigos dele que passaram a ser meus amigos, de cada funcionário, cada centímetro de todos os setores, enfim, da história, desde quando era do Ipase”, disse Luiz Antonio, citando o Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Estado (IPASE), antigo mantenedor da unidade quando era um sanatório para pacientes com tuberculose.

Logo aos 11 anos, Luiz Antonio já ia ao Hospital Alcides Carneiro para ajudar o pai, Wellington Batista de Souza, que era caldeirista. Era um trabalho pesado, cansativo, inimaginável ser praticado por uma criança nos dias de hoje. No espaço, era gerado o vapor para aquecer litros e litros de água, que seriam utilizados, por exemplo, no banho de pacientes.

“Naquela época, não havia as leis que regulamentavam o trabalho, então vinha com meu pai com o propósito de auxiliá-lo, já que ele tinha problemas de saúde, e, com isso, poder me alimentar. Além de ajudar meu pai, o retorno era basicamente este: poder ter minha refeição. Morávamos no Bairro da Glória, muito próximo do hospital. Família muito humilde e batalhadora”, contou.

Luiz Antonio é o mais velho de quatro irmãos. Todos moravam juntos em uma casa humilde, de pau a pique, sem janelas e com a porta coberta apenas por um pedaço de pano. Em casa, a família recebia os cuidados da mãe, Nicolina Rosa de Souza.

Com o passar do tempo e a experiência adquirida no trabalho realizado ao lado do pai, o hoje médico foi amadurecendo, fazendo contatos e ganhando mais espaço dentro do próprio sanatório. Foi telefonista, recepcionista e trabalhou no Arquivo do hospital, antes de se formar em medicina. Durante a formação, foi aluno do conhecido médico cardiologista e político, Enéas Carneiro, na 6ª Enfermaria da Santa Casa de Misericórdia, no Rio de Janeiro.

Nesta semana, Luiz Antônio separou um tempinho durante a corrida rotina do Ambulatório do HAC e visitou os locais onde trabalhou antes de se tornar médico. Como não poderia deixar de ser, foi ao setor da caldeira e relembrou os tempos passados ali. Esta foi a primeira vez que ele voltou ao lugar que durante anos esteve acompanhando o pai.

“É uma felicidade muito grande reencontrar e perceber este sucesso. Fui muito amigo do pai dele e acabamos ficando muito amigos também. Está no sangue o amor pelo rock. Estou há 32 anos aqui no Hospital Alcides Carneiro e torço muito pelo hospital também”, disse o caldeirista Paulo Heleno, de 77 anos, velho amigo de Luiz Antonio e do pai dele.

Ao fim da visita, a placa, colocada na parede do corredor principal na inauguração, chamou a atenção do médico, que considera ser mais que uma decoração. Para ele, a frase nela atribuída ao ex-diretor do Ipase, Alcides Carneiro, deve ser a diretriz para todos que trabalham em prol do Hospital. Ela está no coração do HAC e diz: “Esta é uma casa que por infelicidade se procura, mas por felicidade se encontra”.

“Ela (a placa) é um orgulho para todos nós. Quem trabalha aqui, quem luta, não pode esquecer o que representa este hospital. Em frente a essa placa passaram pessoas que ajudaram a construir o que temos hoje, desde os mais humildes até diretores que estiveram à frente das mudanças. Este hospital tem uma magia. Aqui foi a vida do meu pai, e, hoje, é a minha”, completou emocionado o cardiologista.

O sonho de criança se tornou realidade aos 38 anos, quando, Luiz Antonio se formou em medicina e começou a trabalhar na mesma unidade onde via e admirava grandes médicos passando plantões. Agora, ele estava lado a lado com cada um deles e, hoje, é referência para muitos que estão iniciando na profissão. Chegou a ser diretor médico clínico do Hospital na década de 90. Em 2018, chegou a fazer mais de 400 consultas em um mês, no Ambulatório do Hospital Alcides Carneiro.

“Este é um exemplo de um bom profissional, que, com muita humildade, lutou pelos seus objetivos e realizou seus sonhos. Nós agradecemos todo o empenho do doutor Luiz Antonio na sua atividade e temos certeza que, com o amor que trata o Hospital Alcides Carneiro, está sendo uma bela referência para todos”, destacou o prefeito Bernardo Rossi.

O Médico Roqueiro

Durante toda a visita, e enquanto as lembranças vinham à mente, um detalhe chamou a atenção dos amigos que o encontravam pelos corredores. Uma camisa da banda de rock britânica, The Beatles. Se durante a infância os médicos eram os espelhos para Luiz Antônio no campo profissional, as bandas de rock da época eram as referências no seu outro amor: a música. Amor também passado pelo pai e que deu origem a um encontro de amigos, que, nos horários vagos, se tornam ensaios da banda.

“Buscamos nos encontrar quando temos um tempinho para poder ensaiar uma ou outra música. É algo pelo qual sou apaixonado. Nem sempre é possível diante da correria do dia a dia, mas tentamos aproveitar as oportunidades. Mas, o amor pela música está sempre comigo, é como uma segunda pele”, comentou o médico, que faz questão de apresentar as camisas relacionadas ao rock por baixo do jaleco.

Esta paixão rendeu, inclusive, uma homenagem. O filho Harrison, de 18 anos, em lembrança a George Harrison, integrante da mesma The Beatles. Luiz Antonio tem, ainda, a filha Dominique, de 26 anos. 
Programação dos filmes em cartaz