Boa noite!           Quinta 02/12/2021   03:09
Receba nossos informativos: Nome: Email:
Home > Saúde > Vigilância Sanitária de Trajano lança Campanha de Vacinação Antirrábica
Vigilância Sanitária de Trajano lança Campanha de Vacinação Antirrábica
03/10/2017 - 19:06 - Elaborada pela Vigilância Sanitária, a campanha gratuita de vacinação antirrábica animal em Trajano de Moraes, será no próximo sábado (7). A meta é imunizar centenas de cães e gatos durante todo o dia. Um dos pontos do Dia D será na Praça Nilo Peçanha, das 9h às 16h. Outro local que vai receber a atenção dos agentes será o distrito de Visconde de Imbé e Barra dos Passos, será no mesmo dia e horário.
 
Já em Gravatá e Arranchadouro, o dia da vacinação será antecipado. “Vamos fazer a imunização nos cães e gatos na quinta-feira (5). Nossa meta é fazer uma prevenção total. Trajano de Moraes é muito grande em extensão territorial. Por isso temos que trabalhar com cronograma para que nenhuma comunidade ou distrito fique desassistido”, explicou o coordenador da Vigilância Sanitária Saulo Pacheco.
 
A cada quinze minutos, morre uma pessoa infectada pelo vírus da raiva no mundo. São quase 60 mil vítimas todos os anos, a maioria delas, crianças de países em desenvolvimento. Esse é um quadro preocupante que tem na Campanha Nacional de Vacinação Antirrábica Animal seu maior instrumento para contenção da doença.
 
A Organização Mundial de Saúde Animal (OMS) estima que, para ser efetiva, uma campanha de vacinação contra a raiva deve cobrir ao menos 70% da população de cães, em Trajano de Moraes a meta estabelecida é a vacinação de 100% da população de cães e gatos. “Sintomas como dores no local vacinado, febre e comportamento mais quieto do animal podem ocorrer até 36 horas após a aplicação”, ressalta.
 
Em caso de mordida por um desses animais, Saulo orientação a higienização urgente do ferido com água e sabão neutro. “A pessoa deve procurar em seguida a unidade de saúde mais próxima para receber os primeiros cuidados e o encaminhamento para um posto. Outra medida é, sempre que possível, isolar o animal por dez dias, acompanhando o grau de manifestação da doença e registrando o local onde habita”, alertou.
 
A OMS calcula que, além de impedir a transmissão do vírus e salvar vidas de animais e humanos, o custo da imunização canina seria quase 10 vezes menor do que os valores já investidos no tratamento emergencial de pessoas acometidas pela doença. Mais de 80% das mortes causadas pela raiva ocorrem em áreas rurais, onde o acesso a campanhas de saúde e à profilaxia pós-exposição é limitada ou inexistente.
 
Vale lembrar que a vacina só tem efeito positivo para cães e gatos. “Deve ser aplicada por pessoas que receberam treinamento e credenciadas pela autoridade sanitária do município. É expressamente proibido que se dê frascos ou doses para as pessoas levarem para suas residências. Essas normas foram estabelecidas pelo Ministério da Saúde”, acrescentou.
Programação dos filmes em cartaz