Boa noite!           Sábado 29/02/2020   03:06
Receba nossos informativos: Nome: Email:
Home > Meio Ambiente > Operação da Secretaria de Meio Ambiente coíbe invasão irregular de terreno no Castelo São Manoel
Operação da Secretaria de Meio Ambiente coíbe invasão irregular de terreno no Castelo São Manoel
Ação foi realizada na manhã desta sexta-feira (12.05) com apoio de Guarda Civil, secretarias de Obras e Habitação, Serviços,  Segurança e Ordem Pública e Defesa Civil,além da Polícia Militar. Área estava sendo “loteada” e alguns deles já tinha até início de fundação para construção de novas casas
 
13/05/2017 - 09:07 - Uma operação liderada pela Secretaria de Meio Ambiente nesta sexta-feira (12.05) coibiu a demarcação irregular de lotes em um terreno invadido no Castelo São Manoel, em Corrêas.  O local possui proprietário e não pode ser ocupado por causa da declividade. Mesmo assim, pelo menos 20 áreas já haviam sido delimitadas para a construção de casas. Algumas delas, inclusive, já apresentavam sinais de começo de obra.

Há um mês foram feitas denúncias anônimas de queimadas e desmatamento em uma área atrás do Conjunto Habitacional do Castelo São Manoel, mas ao vistoriar, fiscais da Secretaria de Meio Ambiente constataram o loteamento do terreno. Na primeira ida, pelo menos 10 pessoas foram abordadas e orientadas sobre a ilegalidade da ocupação – outras fugiram. Nesta, os fiscais mobilizaram Guarda Civil, Defesa Civil, Secretaria de Obras e Habitação, Secretaria de Serviços, Segurança e Ordem Pública(SSOP) e Polícia Militar para voltar ao local e constataram que alguns desses “lotes” já estavam com escavação para fazer fundações e até mesmo platôs. Ninguém responsável pelo loteamento irregular estava na área no momento da operação.

“Os lotes estão sendo colocados à venda. Viemos aqui para retirar todas as cercas e as demarcações feitas com mourões e arame farpado e devolver ao município o domínio dessas terras. Estamos aqui também para garantir que essas pessoas que hoje estão promovendo essas invasões não sejam, futuramente, vítimas de uma tragédia”, explicou o fiscal ambiental, Miguel Fausto. De acordo com os fiscais, não há nenhuma autorização para construções por ali.

A SSOP retirou um caminhão lotado com estacas e arame utilizados para demarcar os lotes. Também foram removidas 15 toneladas de lixo verde e terras. Ainda houve a derrubada de um padrão de luz que já havia sido construído, mas sem qualquer ligação para energia elétrica. O trabalho foi feito por cinco funcionários da Força Ambiental, que contaram com apoio de dois caminhões e uma retroescavadeira.

Um carro e três guardas civis deram apoio ao trabalho. O Grupamento de Proteção Ambiental (GPA) da Guarda também participou com um carro e dois agentes. Três homens da Defesa Civil e mais três funcionários da Habitação estiveram presentes. Quatro PMs e duas viaturas reforçaram a segurança durante a operação realizada por cinco fiscais ambientais.
Programação dos filmes em cartaz