Boa noite!           Sábado 22/02/2020   01:13
Receba nossos informativos: Nome: Email:
Home > Animais de Estimação > Informações > Xixi em Local Inapropriado - Gato Mal Educado ou Gato Estressado?
Xixi em Local Inapropriado - Gato Mal Educado ou Gato Estressado?

Por: Dra. Daniela Ramos*

Se o seu gato é daqueles que urinam por tudo, fazendo questão de "carimbar" cada cantinho da casa, se recusando a utilizar qualquer local ou recipiente intitulado sanitário, saiba que você está diante da queixa comportamental mais comum entre os proprietários de gatos. A questão é tão séria que infelizmente chega a ser inaceitável para muitas famílias.

Em levantamento recente feito em um abrigo de animais nos EUA, cerca de 43% dos mais de mil proprietários entrevistados, e que haviam entregue seus gatos para o abrigo, apontaram problemas de eliminação como uma das razões (quando não a única) para o abandono. De fato, nada tão perceptível e desagradável quanto o odor da urina (e fazes) depositados em roupas, tapetes, cortinas e mobílias. Apesar de tamanho desconforto, o problema não justifica o abandono já que é bastante possível entender a motivação que leva determinados gatos a tal comportamento e então implementar uma terapia comportamental de sucesso.

Antes de encararmos este gato como simplesmente mal educado, devemos lembrar que muitas atitudes de nosso bichano (como o fazer xixi em locais variados) são, na verdade, comportamentos normais entre os gatos na natureza. Tais comportamentos se tornam inadequados à medida que os gatos passam a viver em estreita relação com os seres humanos. Um gato livre raramente urina ou defeca num mesmo local duas vezes e muito menos num local utilizado anteriormente por outros gatos. Então imagine um gato vivendo num apartamento minúsculo e ainda tendo que compartilhar seu único sanitário com mais outros: certamente que se este gato não apresentar problemas de eliminação será um exemplo de excepcional educação e adaptabilidade!  Exageros à parte, o que quero dizer é que, embora inapropriado, a eliminação em locais variados é parte do repertório normal do gato. Portanto, antes de encarar o gato como vilão, anormal ou mal educado, lembre-se de que este gato pode estar sofrendo de estresse ou até mesmo de um problema urinário. Providenciemos então, com muita dedicação e persistência, medidas eficazes para controlar o problema.

Diversas são as razões (desde físicas até comportamentais) que levam um gato a urinar em local inapropriado. Um gato com problemas urinários (e isto é bastante comum entre os gatos que eliminam inapropriadamente) pode sentir dor durante a micção e, a partir daí, passar a evitar os locais onde sentiu o desconforto (um deles, a sua caixa sanitária!). Por outro lado, a marcação do território com fezes e/ou urina é também uma maneira, utilizada por gatos estressados, de se aliviarem e se sentirem mais confiantes num ambiente perturbador (por exemplo, em decorrência da mudança para uma casa nova ou de um conflito com um outro gato residente). Outras razões seriam a simples preferência por diferentes locais e superfícies e até uma possível aversão a caixa sanitária!

 É importante que, antes de se tentar resolver o problema por conta própria, consulte-se um médico veterinário especialista em Comportamento Animal. Ele avaliará não só o problema de eliminação, mas o animal como um todo, incluindo seu temperamento, relacionamento familiar (socialização) e, principalmente, o ambiente onde vive. Em muitos casos (quando não na grande maioria deles!), além de alterações no ambiente e técnicas de modificação comportamental aplicadas no gato, terapia medicamentosa e/ou através de feromônios sintéticos, devidamente recomendada pelo veterinário, são parte crucial do tratamento.

Até que o veterinário comportamental seja consultado, aqui vão algumas dicas que poderão ajudar na resolução do problema:

· Torne a caixa sanitária atrativa. Para isso, espalhe algumas delas por locais diferentes da casa. Opte por locais tranqüilos, evitando colocá-las próximo a objetos barulhentos (ex: ao lado da maquina de lavar roupa) ou em locais escuros e de difícil acesso. Para casas com vários gatos, o número ideal de caixas é o número de gatos mais um. Se possível, para cada uma das caixas, utilize um substrato diferente para depósito de urina e fezes. Pode-se, inclusive, deixar uma das caixas vazia;

·  Limpe as caixas sanitárias religiosamente. Muitos gatos se recusam a eliminar em locais sujos. Diariamente recolha os desejos depositados nas caixas sanitárias e sempre que possível (pelo menos uma vez por semana) faça sua lavagem total. Para isso evite utilizar perfumes ou quaisquer outros produtos desodorizantes, principalmente aqueles à base de amônia ou similares, pois eles podem espantar o gato!
 Quanto às marcas de urina (ou fezes) espalhadas pela casa, procure limpá-las com produto que retire todo o odor (limpador biológico ou enzimático). Isso pode impedir que o gato retorne ao local para mais uma esguichada;

· Evite broncas e recompense quando encontra-lo eliminando adequadamente. Gatos são bastante sensíveis a quaisquer tipos de bronca, que podem prejudicar o bom relacionamento com o proprietário. Portanto, caso você o pegue em pleno ato de eliminar em local errado, você poderá puni-lo lançando próximo a ele um objeto que faça barulho (um molho de chaves ou uma latinha com moedas). Porém, é fundamental que o gato não perceba que foi você quem lhe deu o susto! Paralelamente a isto, sempre que você tiver a boa sorte de poder presenciar a cena correta (ou seja, o gato utilizando a caixa sanitária) aproveite para elogiá-lo e oferecer-lhe um petisco dos mais apetitosos;

· Identifique fatores de estresse. Tente identificar possíveis elementos provocadores de estresse no seu gato (ex: conflito com outros gatos, excesso de punições e/ou mau relacionamento com alguma pessoa da casa, falecimento de um companheiro – humano ou gato, mudança de casa, mudança na rotina do dono, chegada de um novo morador a casa – humano ou gato, etc.). É fundamental que tais condições sejam relatadas ao veterinário comportamentalista, que irá recomendar medidas visando a adaptação do gato a cada uma delas. Do contrário, desencadeador de estresse estará sempre presente e o problema de eliminação, neste caso reacional, dificilmente será controlado.


*Dra. Daniela Ramos é médica veterinária graduada pela Universidade de São Paulo (USP) e especializada em Comportamento Animal pela University of Lincoln (Inglaterra).

Contato: daniela.ramos@psicovet.com.br
 www.psicovet.com.br

Programação dos filmes em cartaz