Boa noite!           Sábado 29/02/2020   02:43
Receba nossos informativos: Nome: Email:
Home > Meio Ambiente > MPF na 2ª Região quer que TRF2 condene empresa poluidora em Barra Mansa (RJ)
MPF na 2ª Região quer que TRF2 condene empresa poluidora em Barra Mansa (RJ)
Recurso contesta absolvição de Barra Sul e gestores por crimes ambientais
 
10/07/2017 - 12:36 - O Ministério Público Federal (MPF) contestou no Tribunal Regional Federal da 2a Região (RJ/ES) a  absolvição da Barra Sul Metais e dois sócios da empresa, de Barra Mansa (RJ), em processo pelos crimes ambientais de construir estabelecimento potencialmente poluidor sem licença ambiental e dificultar fiscalização pelo poder público (Lei 9.605/1998, art. 60 e 69). Com licença para coletar, transportar e vender resíduos siderúrgicos, a Barra Sul foi absolvida porque a 2a Vara Federal de Volta Redonda avaliou que a licença concedida abrangia a estocagem dos resíduos. O recurso do MPF será julgado pela 1a Turma do tribunal (20145104002019-5).
 
Para o Ministério Público Federal na 2a Região, houve um equívoco da sentença ao considerar que um parecer do órgão ambiental do Estado do Rio previa a atividade de estocagem. A tese do MPF foi respaldada por servidores do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) ouvidos na Justiça. Segundo fiscais do Inea, a Barra Sul vinha funcionando em 2011 fora do endereço indicado na licença, em área junto ao Rio Bananal, um dos principais afluentes da margem direita do Rio Paraíba do Sul.
 
A ação também foi proposta contra Carlos Antonio da Silva Nascimento e José Rogério de Castro, gestores da Barra Sul, e pelo crime de, em agosto de 2012, provocar incêndio em mata – crime que parecer do MPF hoje considera de condenação impossível. Em relação aos outros crimes, as investigações apontaram que Castro dissimulou mudança do contrato social em 2011 para dificultar a fiscalização e negou acesso de fiscais e guardas ambientais ao local de funcionamento da empresa.
 
“Não havia licença para estocar e para aquela localidade e a empresa atuava em faixa marginal de proteção, operando empreendimento poluidor à beira do rio federal”, afirmou o procurador regional Maurício Manso, autor de parecer encaminhado ao TRF2. “Comprovou-se que a Barra Sul Metais exerce atividade potencialmente poluidora, com o comércio de resíduos siderúrgicos, sem o devido licenciamento ambiental, por decisão de seus administradores.”
Programação dos filmes em cartaz